Olá freguês!

Maio 2014

No corredor da FAMA

27 de Maio de 2014 Nenhum comentário


O que verdadeiramente apreciamos no artesanato não é tanto o artefacto, mas sobretudo o processo de criação, essa experiência quase espiritual de fazer com as mãos. (A esta ideia voltaremos mais tarde, a propósito de umas leituras recentes em torno da obra The Craftsman, de Richard Sennett.) Preto no branco, o que verdadeiramente nos interessa no artesanato é a pessoa que faz coisas, a forma como as faz e as razões por que as faz. Enfim, a pessoa que mora no artesão.

E é essa a razão por que gostamos de feiras de artesanato, apesar de não gostarmos particularmente de ajuntamentos, nem sermos grandes foliões: nas feiras de artesanato, há coisas giras para ver (e, por via de regra, coisas boas para comer também), mas, sobretudo, há pessoas para conhecer.

Foi nesse embalo que fomos, no sábado, a Matosinhos, que acolhe por estes dias a habitual e já bem conhecida feira de artesanato, integrada nas grandes festas do Senhor de Matosinhos. Neste passeio pelos corredores da FAMA (assim que chama a Feira de Artesanato de Matosinhos), tivemos mais um desses felizes encontros.



Isto é outra louça!

24 de Maio de 2014 Nenhum comentário


Na Cerâmica Fernandes não se inventou a roda. Os processos de moldagem, vidragem e cozedura do barro são os mesmos em uso nas demais unidades cerâmicas da região de Barcelos. O que verdadeiramente diferencia a louça que aqui se produz é a prosa desenhada em traço firme pela mão já experimentada da própria Lúcia Fernandes. Nas suas mãos, o pincel faz-se agulha e o barro o fino linho em que se bordam versos de amor e amizade.



Às feiras!

22 de Maio de 2014


Abriu a época: de norte a sul do país, onde quer que haja uma praça, ali se instala uma feira de artesanato. Até Agosto, há muito que ver!

Para os amantes de artesanato e arte popular, para os colecionistas, para os lojistas e para os foliões, deixamos aqui um roteiro de seis mostras de artesanato a não perder.
(Perdoem-nos se puxamos a brasa à nossa sardinha...)



Vem aí um bebé...

19 de Maio de 2014 Nenhum comentário

Fralda de algodão bordada à mão


E vai chamar-se José!

 

Quando surgiu o pedido para bordar o primeiro jogo de fraldas do José, Maria Luísa chegou a suspeitar de que já não tinha mãos para as agulhas.

Foi a filha quem lhe deu o empurrão. Dada às criações, desenhou quatro motivos diferentes para o primeiro conjunto de fraldas do José.

Ponto a ponto, Maria Luísa bordou sobre o riscado da filha et voilà! Este conjunto já está!

 

Que lindo vai o poeta!

16 de Maio de 2014 Nenhum comentário

Pelo céu cor de violeta,

que lindo,

que lindo vai o poeta.

Pôs uma camisa branca

e sapatos amarelos

as calças agarradinhas

são da feira de Barcelos.

Pelo céu vai o poeta.

Sobe, sobe de bicicleta.


Eugénio de Andrade, "Andanças de Poeta"

Tudo em pratos limpos!

7 de Maio de 2014 Nenhum comentário

Louça de Barcelos em processo de secagem


Se o bom petisco pode ser servido noutra louça que não a louça de Barcelos?

Poder pode, mas não é a mesma coisa...


Se a louça de Barcelos é segura para confecionar e servir alimentos?

Vamos lá pôr tudo em pratos limpos!

 

Nas mãos do oleiro

5 de Maio de 2014 Nenhum comentário

Oleiro


Nas mãos do oleiro

o universo descobre-se
inacabado


José Tolentino Mendonça, in A Papoila e o Monge, Lisboa, Assírio & Alvim, 2013.


Posted in: Feira de Barcelos Tags: poesiaoleiroolaria